Exibindo posts publicados: TI

Por que as empresas devem investir em cibersegurança?
Em um mundo cada vez mais globalizado, com o aumento das ameaças cibernéticas cada vez mais frequentes, é essencial garantir a segurança da sua empresa. 
A melhor saída é investir em cibersegurança. Com ela, as organizações podem evitar perdas financeiras, violação de dados e até mesmo danos à sua imagem que podem impactar por anos ou até mesmo em definitivo.
O Brasil é um dos principais alvos de ciberataques do mundo, grandes empresas já sofreram desse crime, como a Renner, Submarino e Americanas. 
Com o reconhecimento dessa importância, as empresas estão investindo muito mais nesse mercado para proteger seus dados e manter a confiança dos seus clientes. 
Afinal, fica difícil fechar um contrato com uma empresa que facilmente pode ter meus dados confidenciais vazados.
Nesse artigo falaremos sobre a importância de você investir na segurança da sua empresa, por onde começar, os prejuízos que você pode evitar e qual empresa você pode contatar para te entregar um serviço de qualidade e de segurança.

Quais os prejuízos que um ataque cibernético gera nas organizações?

Mesmo com uma equipe de TI preparada, muitas vezes, não é o bastante para impedir que os ataques aconteçam e gerem grandes danos, até mesmo permanentes. 
Os criminosos podem ter diversas razões, desde apenas curiosidade ou realmente querer causar prejuízos em troca de dinheiro. 
Dessa forma, é essencial uma grande segurança cibernética para reduzir os riscos desse crime. 
 
Esses ataques, por sua vez, podem causar uma série de prejuízos, como
  • Custos financeiros podendo levar a empresa à falência;
  • Acesso a dados confidenciais da organização e de clientes;
  • Tempo de inatividade operacional;
  • Causar danos à imagem da empresa.
 
Os prejuízos são muito além do que apenas financeiros. Esses ataques podem afetar a imagem e a reputação de uma empresa, o que é bem pior, pois tudo isso pode fazer com que elas percam autoridade dentro do mercado e por consequência tenha grandes perdas em relação a desistências de importantes contratos com clientes fidelizados. 
Por isso é essencial que as empresas tenham medidas rigorosas de segurança cibernética, como, antivírus, firewalls e até mesmo treinamento de colaboradores para que entendam a importância da segurança de dados.
 

5 motivos para sua empresa investir em cibersegurança

Já sabendo de todos os riscos que um ataque cibernético pode causar, é fundamental para uma empresa proteger seus dados, redes e sistema contra esses crimes, pois eles podem ter consequências devastadoras. 
Pensando nisso, listamos 5 motivos para a sua empresa investir em cibersegurança.

1. Prevenção de ataques

Uma das principais partes de uma estratégia de segurança cibernética é a prevenção de ataques cibernéticos. Ela protege a sua empresa de riscos, como roubo de dados, má reputação ou interrupção das atividades.
Ter uma medida forte de segurança é fundamental para a proteção dos seus dados. Algumas medidas de prevenção que podem ser adotadas são
  • Firewalls;
  • Antivírus;
  • Backup de dados;
  • Autenticação de dois fatores;
  • Treinamentos dos colaboradores.

2. Segurança de dados

Com a constante evolução dos crimes cibernéticos a segurança de dados é um fator importante para proteger as informações de uma organização. 
O objetivo é proteger os dados, tanto físicos como digitais. As principais medidas que as empresas podem implementar para garantir a sua segurança são
  • Softwares de proteção;
  • Criptografia;
  • VPN;
  • Especialistas na área. 

3. Continuidade de negócios

Ter uma forte e excelente estratégia é essencial para a continuidade de negócios para a sua empresa não sofrer com os prejuízos causados pelo ataque cibernético. 
É nesse passo que você vai saber o que fazer no caso de um ataque que possa comprometer a continuidade dos seus negócios. As vantagens são inúmeras como
  • Preservar a reputação da empresa;
  • Aumentar a confiança do cliente e colaboradores;
  • Diminuir os riscos financeiros.
Ter um bom planejamento é a melhor forma para combater possíveis ataques a sua empresa. 

4. Diminuição dos prejuízos financeiros

Um ataque cibernético pode gerar impactos devastadores e definitivos para uma empresa, por isso, a importância de investir em cibersegurança. 
Após um ataque cibernético, a melhor medida a ser tomada é agir rapidamente para tentar ao máximo diminuir os danos.
Buscar a ajuda de um profissional tanto um advogado como especialista em segurança cibernética irá ajudar no que fazer nesse caso, bem como instruir na realização de um planejamento para se proteger de futuros ataques.

5. Fortalecer a confiança com os clientes

Conquistar a confiança dos seus clientes é outro motivo importante para se investir em cibersegurança. Mostre a eles o quanto sua empresa se importa em cuidar dos dados pessoais que eles aceitaram compartilhar com você.
Caso um ataque aconteça, tome algumas medidas para mostrar preocupação e comprometimento em resolver o problema, priorizando sempre a comunicação transparente, informando aos seus clientes o que de fato aconteceu, se eles foram prejudicados e como ocorreu o problema. 

Bônus: Conformidade com as leis

É fundamental que uma empresa esteja compatível com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Isso favorece sua reputação no mercado e com os clientes, fazendo com que eles tenham confiança para fechar negócios com você.
O não comprimento dos regulamentos de lei pode gerar graves consequências como ações judiciais e danos à reputação. 
Não somente pela questão judicial, mas estar em conformidade com as leis é uma questão de ética e respeito pelos seus clientes. Ter uma equipe bem treinada que saiba como agir nesses casos é necessário para que a organização não tenha um grande prejuízo.

Investir em cibersegurança: Por onde começar? 

Sabemos que o mundo corporativo se tornou um alvo constante dos ataques cibernéticos, por isso investir em cibersegurança não é mais considerado como um gasto supérfluo ou visto apenas para as grandes empresas, mas sim um investimento prioritário.
Antes de investir, é necessário conhecer bem o que o mercado atual tem para oferecer e assim você terá o melhor caminho de acordo com o que sua empresa pode manter.
A contratação de serviços especializados nessa área pode trazer inúmeros benefícios em segurança e economia para a sua empresa, mas é de suma importância contatar uma empresa que seja referência em qualidade e segurança, com profissionais altamente capacitados para proteger os seus dados. 
A Wiser Tecnologia é uma empresa especializada no ramo e conta com uma equipe preparada para superar todos os desafios do mercado.
Temos o compromisso de sempre levar o melhor serviço de tecnologia com inovação, segurança e transparência. Clique aqui para falar conosco e conhecer melhor sobre o nosso serviço para garantir a segurança da sua empresa.
 
Sobre o autor
Georlane Costa, formada em publicidade e propaganda | Equipe de marketing da Wiser Tecnologia.
Por: Georlane Costa VER MAIS
Plano de continuidade de negócios em TI: Como criar e quais são os benefícios
Existem processos que não podem parar, mas também existem acontecimentos impossíveis de prever. Reflita sobre a seguinte situação:
Gestores decidem que a melhor opção para arquivar dados é em servidores físicos, que estão dentro de uma sala específica dessa empresa. Mas infelizmente, um desabamento acontece e faz com que toda a estrutura física caia, danificando os servidores.
Pode parecer algo inalcançável? Sim. Mas é capaz de acontecer. Sendo menos radical, também poderia citar eventos climáticos severos, longas interrupções de energia, dentre outras emergências.
Toda empresa deve pensar nessas possibilidades e pensar nas formas de prevenção. A solução preventiva para esses casos, seria montar um plano de continuidade de negócios em TI.
O plano atua como uma resposta rápida aos riscos e impactos que podem acometer os processos da empresa, abrangendo estratégias necessárias para a continuidade dos serviços.
Um plano de continuidade de negócios em TI é essencial para garantir que uma organização possa continuar operando sem interrupções significativas em caso de eventos adversos, como desastres naturais, falhas de sistemas, ataques cibernéticos ou outros incidentes que possam afetar a infraestrutura de TI.

Passos básicos para criar um plano de continuidade de negócios em TI eficaz


1- Iniciar o processo de planejamento

Nomeie uma equipe de planejamento de continuidade de negócios em TI, composta por profissionais experientes em TI, segurança da informação e gestão de riscos.
Identifique os principais stakeholders, incluindo a alta administração, para garantir seu envolvimento e apoio ao plano.

2 - Avaliação de riscos e impactos

Identifique ameaças potenciais que possam afetar a infraestrutura de TI, como falhas de energia, incêndios, inundações, ataques cibernéticos, entre outros.
Avalie o impacto potencial dessas ameaças nas operações de TI e nos objetivos de negócios.

3 - Definição de objetivos e requisitos

Estabeleça metas claras para a continuidade de negócios em TI, como tempo de recuperação máximo tolerável (RTO) e ponto de recuperação máximo tolerável (RPO).
Defina requisitos específicos para manter a disponibilidade dos sistemas críticos.

4 - Inventário de ativos de TI

Faça um levantamento completo de todos os ativos de TI, incluindo hardware, software, dados e documentação.
Classifique os ativos com base em sua importância para as operações de negócios.

5 - Desenvolvimento de estratégias de recuperação

Crie planos de recuperação para cada sistema e serviço crítico, especificando as etapas necessárias para restaurar a funcionalidade.
Implemente soluções de backup e redundância para minimizar o tempo de inatividade.

6 - Treinamento e conscientização

Treine a equipe de TI e outros funcionários sobre suas funções durante um incidente de continuidade de negócios.
Crie conscientização sobre a importância da continuidade de negócios em toda a organização.

7 - Teste e revisão

Realize testes regulares de recuperação de desastres para garantir que os planos sejam eficazes.
Revise o plano periodicamente para incorporar lições aprendidas e mudanças na infraestrutura de TI.

8 - Comunicação e coordenação

Estabeleça procedimentos claros de comunicação e coordenação durante um incidente.
Mantenha contato com fornecedores, parceiros e clientes para manter a transparência e minimizar impactos.

9 - Documentação e revisão

Mantenha documentação detalhada de todos os aspectos do plano de continuidade de negócios em TI.
Revise e atualize o plano regularmente para garantir que ele permaneça relevante e eficaz.

10- Implementação e monitoramento contínuo

Implemente o plano de continuidade de negócios em TI e monitore constantemente a infraestrutura e os sistemas para detectar qualquer anomalia.
 

Benefícios de um plano de continuidade de negócios em TI

Como já foi dito anteriormente, um plano de continuidade de negócios em TI é um processo contínuo que requer compromisso e envolvimento de toda a organização.
Ter um plano eficaz pode ajudar a minimizar o tempo de inatividade, proteger dados críticos, minimizar perdas financeiras e garantir a resiliência das operações de negócios em face de desafios inesperados.
Esse plano permite uma recuperação mais ágil e eficiente, mantendo a confiança dos clientes, parceiros e stakeholders. Garante, ainda, a agilidade nos processos de TI e aumenta a sobrevivência do negócio.
Também é fundamental para a manutenção e proteção das operações empresariais diante de crises e interrupções.
A TI é o alicerce de grande parte das atividades modernas, tornando essencial prever e mitigar possíveis eventos que possam afetar sistemas críticos.
A capacidade de garantir a operação contínua, juntamente com a segurança dos ativos digitais, é crucial para a sustentabilidade e a resiliência de uma organização no cenário competitivo e instável dos dias atuais.
Tenha um parceiro tecnológico completo com profissionais qualificados para auxiliar a sua empresa a montar um plano de continuidade de negócios e manter a eficiência de todos os seus processos. Para saber mais sobre isso, clique aqui e fale conosco pelo WhatsApp.
 
 
Por: Jony do Vale VER MAIS
Como migrar para a nuvem do jeito certo
Planejamento, aprendizado e responsabilidade são três tópicos base para iniciar o processo de migração para a nuvem.

Toda empresa precisa de recursos que possibilitem uma rotina rápida e acessível às mudanças diárias, e sabemos que isso não é possível se os dados dessa organização estiverem concentrados em um servidor lento, desatualizado e sem elasticidade. A migração de processos para a nuvem é a solução para que qualquer negócio sobreviva em meio às crescentes modificações tecnológicas e imediatistas. 
Pense em uma loja de e-commerce que está a todo vapor na semana de descontos que a empresa promoveu. Devido aos acessos constantes, o site pode apresentar lentidão e dificultar a entrada de novos usuários que desejam visitar ou realizar alguma compra. Com um servidor em nuvem, esse problema se resolveria em apenas um clique, já que a ferramenta oferece mais elasticidade e escalabilidade. 
Mas, então, como migrar os processos organizacionais para a nuvem do jeito certo? De início, vamos te dar a real: é preciso estudar. Sim, ler sobre o processo, conhecer ferramentas e atuar com parceiros tecnológicos confiáveis. 
Continue conosco e entenda tudo sobre essa jornada!  

Como migrar para a nuvem? 

Inicialmente, deve-se tomar uma decisão estratégica para que a empresa possa migrar todos os recursos ou parte deles para a nuvem. Essa decisão deve incluir todos os setores da organização, a fim de compartilhar os motivos, os processos e os objetivos a serem alcançados com a migração.  
Antes de começar, pergunte-se: “Com o  que eu preciso me preocupar antes de migrar para a nuvem?” Quando falamos em nuvem, devemos pensar, automaticamente, em conectividade. Sem conectividade não existe nuvem, principalmente se você tem um data center local e decide realizar a migração. Processos em nuvem permitirão mais segurança, melhor desempenho, agilidade, estabilidade de conexão, redundância de link e elasticidade para todas as atividades organizacionais. 
A gestão do projeto é outra parte vital para a  jornada da nuvem acontecer. Orquestrar as atividades daqueles que estão envolvidos, seja ligado a recurso interno ou externo, é fundamental para que o objetivo e sucesso do projeto seja alcançado. Você pode até conseguir fazer essa migração sem o envolvimento de todo o corpo organizacional, mas no momento em que houver a necessidade de realizar alguma modificação de sistemas na nuvem, por exemplo, surgirão problemas e as equipes não saberão solucionar. 
Alinhar os times para uma gestão efetiva do projeto vai possibilitar mais controle das atividades e a criação de uma linha do tempo que exiba as entregáveis dos projetos em andamento e avalie se elas estão dentro ou fora do prazo. Desse modo, será possível ter um escopo descritivo e uma visão holística de tudo que está sendo aplicado naquele momento. 
Planejamento 
Realizar um planejamento de forma eficiente é a forma para garantir que os processos sejam realizados e entregues nos dias estipulados. Além disso, não será necessário mais investimento em Budget, caso o projeto não seja entregue nas datas alvo. Junto a isso tudo, uma comunicação clara entre equipe e stakeholders sobre as janelas de migração e riscos envolvidos é extremamente importante e só demonstra o papel de liderança existente no projeto. 
Fatores como o encadeamento de atividades são essenciais para compor o planejamento. Isso vai possibilitar a criação de um cronograma e uma linha de atividades do projeto para que as equipes possam ter a realização de atividades alinhadas em ordem. 

Exemplo: 
É necessário a instalação do servidor e ativação do sistema. Essas atividades são feitas por times diferentes. Não será possível ativar o sistema, se antes, o servidor não estiver pronto para uso. A criação de um cronograma e uma linha de atividades vai possibilitar que cada equipe atue alinhadamente para realizar tarefas no período planejado e estimado.
Outro motivo a se considerar é o momento em que a empresa deve migrar os dados para a nuvem. Se a organização decidir realizar a migração durante o pico de faturamento, corre o risco de perder os resultados obtidos, caso aconteça algum problema durante a migração. O planejamento precisa ser realizado envolto disso, considerando os riscos que podem afetar a migração efetiva. 
Além da questão tecnológica, o planejamento está relacionado muito à questão da gestão de negócios, levando em consideração a sazonalidade, criticidade e o contingenciamento. Quer ir pra nuvem? Ótimo! Mas, lembre-se de respeitar cada etapa do processo. 

Aprenda sobre o que for possível
Além de escolher um parceiro tecnológico de referência, que possua capacidade técnicas, ferramentas inovadoras e equipe especializada, você precisa ter conhecimento, mesmo que básico, sobre os processos que incluem a jornada da nuvem. Não adianta ter o parceiro e a plataforma ideais, se não conhecer os métodos corretos para realizar uma implementação efetiva. 
Atualmente, já existem profissionais de TI com habilidades nos processos de migração da nuvem, justamente pela elasticidade e produtividade que o recurso promove para as organizações. Profissionais do tipo são extremamente necessários, já que existem parceiros que disponibilizam o recurso da nuvem com livre acesso. Como assim, Wiser? 
Bom, as empresas vão cobrar pelo que você usou. Se o recurso da nuvem for utilizado a mais do que o contratado, e se isso for tarifado, você será cobrado. Profissionais de TI especialistas que já possuem expertise na área conseguem acompanhar, entender os processos, e garantem que a empresa não tenha surpresa com os custos da nuvem. 
Na Black Friday, organizações deixaram o uso da nuvem sem um limite determinado. O recurso acabou sendo utilizado no mês seguinte, sem a ciência da equipe. O servidor permaneceu ligado por 24h durante 30 dias. No final do mês, veio a surpresa para a equipe: uma conta que gerou custos altos para a organização e o time que aprendeu, da pior forma, que é necessário ter conhecimento prévio sobre a nuvem para conseguir aplicá-la. 
E daí, entende-se a importância de estudar sobre o assunto e, sobre o seu parceiro, para adquirir conhecimento e entender todos os trâmites envoltos da jornada de migração para a nuvem. Não é simplesmente contratar um parceiro e habilitar a nuvem. Exige toda uma preparação da organização para estudar e buscar um parceiro seguro, com know-how e que ofereça um acompanhamento contínuo, deixando todos os detalhes claros para a empresa contratante.  

Conheça os tipos de nuvem: Pública ou privada? 

Indo direto ao ponto:
Nuvem privada - Com exclusividade! Possui os seus recursos computacionais dentro da infraestrutura da própria empresa, como a intranet ou um data center. Permite uma relação próxima entre a empresa fornecedora da solução e o usuário e a visualização da local de onde os dados estão hospedados e em processamento. Os projetos são realizados, geralmente, no formato On Demand (sob demanda), alinhando os recursos computacionais às necessidades do respectivo contratante.
Nuvem pública - Sem exclusividade! Os recursos vão além das dependências de uma empresa. Pertence a empresas mundiais de grande porte e é operada por terceiros, que a fornecem pela internet. Se caracteriza pelo alto poder computacional e de armazenamento com uma infraestrutura compartilhada e  em formato de acesso self-service, ou seja, o colaborador pode fornecer recursos, sem interação humana com o provedor de serviços. São tipos de nuvem pública, pasta de armazenamento de arquivos, serviço de e-mail, hospedagem de sites e muitos outros. 

Vantagens e desvantagens das nuvens públicas e privadas

Em relação à nuvem pública, a nuvem privada possui mais proximidade com o provedor, já que permite um projeto mais oportuno e de maior diálogo, pois o time vai ter mais acesso a especialistas que podem orientar e auxiliar nos processos de pré e pós migração. Além disso, a nuvem privada possui bem mais escalabilidade do que a nuvem pública. 
Já, quando nos referimos à facilidade de migração, sem dúvidas, a nuvem pública é a mais fácil de ser adquirida. Isso se justifica devido ela possuir uma maior disponibilidade de recursos sofisticados, o que facilita os processos. Na nuvem privada, essa disponibilidade de recursos depende do investimento exclusivo, da empresa, na estrutura. 
A diferença principal entre as nuvens privadas e híbridas (aquelas que combina nuvens públicas e privadas) é a possibilidade de manter dados sensíveis e confidenciais guardados em servidores exclusivos, geograficamente escolhidos com precisão e com um controle de acesso mais próximo à TI e da empresa contratante, a fim de possibilitar um acompanhamento mais eficaz e seguro. 
O importante a se preocupar é com a qualidade do serviço oferecido pelo prestador de serviços e com a capacitação da sua equipe para lidar com o monitoramento e proteção contra ameaças. Mesmo que a migração aconteça e os processos sejam transferidos para a nuvem, a equipe interna deve, ainda, continuar atenta e manter as mesmas responsabilidades de antes. A segurança é uma questão que faz com que os modelos de nuvem se aproximem.
Mas, se ainda com as vantagens apresentadas, não for preferível manter os dados em ambientes públicos, mesmo que por uma cultura empresarial ou apenas por questão técnica, nós temos uma nuvem para você. Você pode desenvolver, de forma efetiva, uma nuvem privada e exclusiva pra você. Deixe uma mensagem em nosso WhatsApp para que possamos te explicar como isso é possível. 

Responsabilidade na nuvem, da nuvem e mútua

Agora que você já sabe tudo o que fazer para contratar a nuvem, qual é o próximo passo? Com o que você deve se preocupar agora? 
É importante entender o que é de responsabilidade do servidor, de quem o contratou e está utilizando e qual a responsabilidade mútua, ou seja, dos dois. Ataques e danos externos podem vir por meio do parceiro tecnológico, em casos de nuvem pública, mas também podem vir através da própria organização 
Se seus processos foram migrados para a nuvem com efetividade, excelente! No entanto, isso não significa que você deve achar que todos os seus problemas vão ser resolvidos. Não pode deixar de se preocupar com backup, por exemplo. Você precisa avaliar e entender se o seu parceiro está fornecendo o serviço, como o backup, ou se isso é, apenas, de responsabilidade sua. 
O diagrama abaixo ilustra as áreas de responsabilidade entre você e a Nuvem, basicamente como é praticado no mercado, de acordo com o tipo de implantação da pilha. 

Quando você migra para uma nuvem pública, ou só avalia a possibilidade de migrar, é importante que você entenda o modelo de responsabilidade compartilhada, como também as responsabilidades de segurança que serão tratadas pelo provedor ou datacenter de nuvem e as responsabilidades que serão tratadas pela organização contratante e seu time de TI. 
As responsabilidades do trabalho, que a nuvem está realizando, vão depender se a carga de atividade está hospedada no SaaS, um software como serviço, no PaaS, plataforma como serviço, IaaS, a infraestrutura como serviço ou se está hospedado em um datacenter local. 
Já com um datacenter local e com a proximidade do servidor, o time de acompanhamento terá a propriedade e a responsabilidade de uma pilha inteira. À medida em que a migração para a nuvem é realizada, algumas responsabilidades são transferidas para o provedor ou datacenter, mas longe de todo o escopo de proteção. 
Então, por isso falamos acima sobre a escolha do parceiro ideal. Um parceiro que te faça entender cada detalhe do contrato, evidenciando o que será oferecido e o que não será oferecido, e ainda, contando com os riscos que estão envolvidos na ausência de alguns serviços necessários, como o backup. 
Esperamos que esse material tenha sido esclarecedor e útil para você, e que possa te auxiliar no processo de migração para a nuvem. De acordo com a pesquisa da SAS Brasil, empresa de inteligência, 80% das empresas brasileiras têm planos de migrar para a nuvem. A porcentagem é alta e o índice de conhecimento também deve ser. 
A Wiser é o seu parceiro tecnológico completo!  Entre na jornada para a nuvem com a gente. 
Agende uma reunião, faça seu orçamento e migre seus processos para a nuvem clicando aqui. 
 
Por: Jony do Vale VER MAIS
Qual a importância de um Professional Service da Tecnologia?
Ter um profissional na área da tecnologia disponível para proporcionar os melhores serviços para a sua empresa. 

O Professional Services é um termo em inglês que em sua tradução traz a ideia da terceirização. No ramo da tecnologia, ele atua de forma terceirizada nas empresas, levando as mais diversas soluções tecnológicas para uma corporação. 
Esses profissionais são altamente estratégicos para as organizações, já que proporcionam inúmeros benefícios, como a alta qualificação desses prestadores de serviços, bem como o foco na implementação de soluções adequadas e coerentes ao negócio. 
Muitas vezes, esses profissionais possuem parceria com as principais fabricantes do mercado, o que proporciona, ao contratante, acesso aos melhores produtos e soluções. 
O Professional Services é o segredo especial para as organizações que buscam ter sucesso com o uso de novas tecnologias e que desejam aumentar sua vantagem competitiva. É uma forma que a empresa tem para se concentrar e focar no próprio core business.

A terceirização de um profissional service na área da tecnologia vale a pena?

A terceirização é vista como um processo bem comum em países industrializados. Por meio dessa transferência de atividades para empresas especializadas, os gestores conseguem focar no próprio core business e, a partir disso, aumentar o lucro. 
E é exatamente por isso que as organizações atuais contratam prestadores de serviços para realizar uma atividade do seu processo operacional da empresa contratante.

Dentre as vantagens do  Professional Services, destacamos:
  • O foco da empresa contratantes em atividades que ela é especialista, ou seja, no core business;
  • Redução de custos ao deixar de realizar processos seletivos, além de economizar com a diminuição das atividades da empresa;
  • Aumento da eficiência;
  • Melhoria dos níveis de produtividade, pois os funcionários estarão focados em suas atividades e a prestadora de serviço ficará em trabalhos mais complexos
O Professional Services pode ser usado para as mais diversas áreas, cabe à empresa contratante escolher qual deverá ser ocupada. Ela deve informar o problema que precisa ser solucionado e após uma análise, o profissional terceirizado inicia o processo para encontrar a solução. 
Assim como muitos outros serviços, o  Professional Services costuma ser mais solicitado para algumas operações específicas, como 
  • Suporte Técnico
Muito comum na área de TI é a manutenção dos equipamentos de uma empresa. Essa função já é muito comum no mercado.
  • Sistemas
Nessa área, há empresas que precisam realizar algum tipo de implantação, atualização ou mesmo integração de algum sistema. Esse profissional é o mais indicado para solucionar essas demandas.
  • Áreas específicas
Business Intelligence (BI) é uma das áreas específicas em que o Professional Services  pode atuar, implantando a plataforma para monitoramento, controlando os relatórios e monitorando os resultados.

Como saber se você precisa de um  Professional Services ? 

Precisam de um Professional Service:
  • Empresas de pequeno, médio e grande porte que precisam de um profissional capacitado para solucionar uma demanda específica;
  • Empresas que não possuem ou que não podem investir em uma área de tecnologia;
  • Empresas que possuem uma área de tecnologia;
  • Todas as empresas que desejam se desenvolver.
Sim, todas as empresas, em algum momento, vão precisar ou já precisam dos serviços que os Professionals Services oferecem.  Por isso é importante atuar com quem sabe do assunto.
Quer conhecer ainda mais as vantagens de um Professional Services? Clique aqui e fale agora conosco.
Por: Bruna Ramos VER MAIS
O Desafio da Automação em TI
Muitas empresas estão despertando para a experimentação de uma ruptura generalizada na escalada da inovação moderna. O combustível para isso são os clientes digitalmente conectados e cada vez mais exigentes. Novas tendências e novas tecnologias pressionam as empresas a serem mais competitivas. Na contra-mão do desejo de inovar, a compreensão sobre o que é TI torna-se um grande inibidor. 

TI é complexo. 
O processo de modernização da TI proporciona meios e maneiras mais inteligentes para se fazer negócios. Porém, as arquiteturas de TI, de modo geral, são alicerçadas sob diversas plataformas complexas de tecnologias. Há um grande esforço das organizações empregado em implantar uma infraestrutura moderna devido a manutenção, o custo e a dificuldade em gerir os sistemas já existentes. Além disso, há um desgaste e sobrecarga das equipes de TI devido ao ritmo acelerado em detrimento da necessidade de inovar. Logo, é notório o cenário exigente de movimentação mais rápida, gerenciamento de ambientes cada vez mais complexos e uma desaceleração de novos desenvolvimentos, estudos e apostas em outras tecnologias. 

A automação pode nos ajudar. 
Não importa o quão complexo é o seu ambiente de TI ou em que momento da jornada de modernização a sua TI se encontra. Estratégias de automação ajudam a melhorar processos que já existem. Não é segredo para ninguém que, com a automação, é possível economizar tempo, aprimorar o desempenho das equipes, obter aumento de qualidade e minimizar custos dentro da organização. 
Automação é tão somente a utilização de software desenvolvido para executar tarefas com o objetivo de reduzir erros, complexidades e custos. Softwares com esse propósito podem ser encontrados em diversos cenários em uma organização, sobretudo em sistemas de TI, sistemas para tomada de decisão, dentre outros. Em indústrias, softwares de automação podem ser encontrados, por exemplo, nos segmentos de veículos e manufatura. 
O processo de automação de TI trata principalmente de executar repetidas vezes instruções manuais de um profissional de TI ou de outras áreas. Podendo ser uma única tarefa ou grupos de tarefas. Dessa forma, as equipes não ficam sobrecarregadas, mantendo controle e foco em atividades mais estratégicas do que as que são mais repetitivas. O efeito disso é um melhor desempenho das tarefas e uma maior satisfação na execução e resultado do trabalho.  
É possível automatizar qualquer coisa. Desde um dispositivo até softwares já existentes que sejam passíveis de configuração. A automação é um multiplicador de força para uma equipe de TI ou de qualquer outro departamento. E permite tornar o trabalho mais leve e menos repetitivo. 
Desafios da TI com a automação:  

  • Equipes desconectadas ou dessincronizadas usando processos com etapas variadas para resolver problemas comuns.  
  • Falhas e altos custos associados a tarefas de rotina e processos manuais.  
  • Dificuldade em realizar operações em média e larga escala.  
  • Aplicativos e serviços com tempo de retorno lento.  
  • Fluxos de execução de trabalho e operações ineficientes.  
  • Dificuldade para acompanhar a velocidade e aumento das mudanças, demandas e tamanho da infraestrutura. 

A automação pode ajudar na mitigação de questões-chave, tais como:  
  • Redução de custos e riscos em toda infraestrutura por parte dos CIOs.  
  • Controle de todos os aspectos da cadeia de distribuição por parte dos diretores de engenharia garantindo o mesmo nível de serviço.  
  • Necessidade de se obter eficientes formas de avaliar eventos e agilizar processos de remediação por parte dos analistas de segurança.  
  • Necessidade de ferramentas por parte dos administradores de sistemas que ajudem a acompanhar o aumento da escala de infraestrutura.  
  • Necessidade dos arquitetos de TI em se manter uma equipe que trabalhe de forma consistente e rápida em todas as tecnologias. 

O uso de automação já é fato em muitas organizações!

Isso ocorre em algumas operações de TI ou em outros departamentos. Muito embora essas soluções possam acelerar funções específicas, elas não foram dimensionadas para uma diversidade maior de recursos e podem até dificultar o compartilhamento de conhecimento de automação na organização. Além disso, torna-se cada vez mais difícil atualizar e estender esses tipos de automação à medida que as tecnologias evoluem e surgem novos requisitos. 
Uma abordagem abrangente sobre automação na empresa pode nos ajudar a perceber o valor total da mesma no cenário de operações e soluções mais modernas. 
A automação em toda a organização exige mais do que apenas o uso de ferramentas. É importante considerar o envolvimento de pessoas, processos e plataformas.  
  • As pessoas são o ponto central de qualquer empresa. Para adotar automação, todas as equipes devem estar empenhadas em participar.  
  • Os processos movimentam projetos dentro de sua organização do início ao fim.  
  • As Plataformas de Automação fornecem as capacidades para construir, executar, e gerenciar sua automação. 
Logo, a adoção de automação corporativa depende da combinação de uma plataforma, processos e pessoas. 
Sobre plataformas e ferramentas de automação, é importante compreender melhor o propósito e significado de cada uma. 
As plataformas fornecem uma estrutura unificada permitindo que várias pessoas automatizem de forma consistente. Fornecendo os meios para a eficiência, gerenciamento e compartilhamento de conteúdo de automação em uma organização. 
As ferramentas são objetivamente eficazes na automação individual e pontual. Elas não fornecem funcionalidades que permitam a conexão e gerenciamento de recursos necessários para automação a nível empresarial.
O processo de implantação de automação na empresa não acontece de forma instantânea, e automação não é tudo ou nada. é muito importante elaborar uma estratégia de automação que seja sustentável. Elaborar uma estratégia exige avaliação, planejamento e adaptações. 

Elabore a sua estratégia de automação! 

Comece de forma modesta, apresente valores, expanda de forma conservadora e repita o processo. Trabalhe mirando o sucesso incremental em curtos períodos de tempo. Para cada vitória, promova o valor da automação e compartilhe sua experiência em toda a sua organização. Isso estabelece uma boa base para que outros aprendam e aproveitem as suas experiências. Isso resulta na agregação de mais valor. 
A sua jornada de automação pode começar por:  
  • Tarefas manuais.  
  • Tarefas repetitivas ou com muita frequência de execução. 
  • Inventário
Resumidamente, os benefícios que a automação de TI e outros departamentos de uma organização podem proporcionar são:  
  • Aumento da produtividade e da eficiência.  
  • Aumento na velocidade das operações.  
  • Aprimoramento da capacidade de resposta.  
  • Aprimoramento da segurança. 

CONCLUSÃO 

Automatizar a TI ou qualquer departamento em uma empresa é desafiador. Mas, não é impossível. Requer uma boa estratégia, o mapeamento das oportunidades, a escolha de uma plataforma aderente às oportunidades, um processo de implantação organizado e principalmente o envolvimento e comprometimento de todos os que se beneficiarão com os resultados obtidos. 
Por: Stênio Oliveira VER MAIS
WhatsApp Wiser Telegram Wiser