Exibindo post do mês de: JUNHO-2021

5 coisas em Big Data que você deve fazer nas empresas
Big Data é um mecanismo que processa e realiza a análise e interpretação de um grande volume de dados armazenados por uma empresa. Neste momento em que vivemos, com um dilúvio de informações e dados, ele se torna ainda mais necessário para o crescimento assertivo de grandes empresas. 
Profissionais que trabalham com esse tipo de método sabem bem. O Big Data não se trata apenas do tratamento de um grande volume de dados, mas o que ele faz com esses dados. Ele é necessário para uma organização pois as ajuda a analisar e utilizar os dados coletados no encontro de novas oportunidades de negócio.
O Big Data proporciona a redução de custos e maiores lucros, uma economia de tempo com clientes mais contentes, além de conseguir fornecer novos produtos alinhados às expectativas dos clientes. Ele pode ser aplicado em empresas que prestam serviços financeiros, em gestões empresariais, no marketing e até na medicina. Mercado amplo, diversificado e cheio de oportunidades! 

Trabalhar com esse método de análise requer muita atenção pois a atualidade pede agilidade e não tolera erros, mesmo que mínimos. O blog  O Estatístico, definiu 5 pontos que o profissional que trabalha com o Big Data NÃO pode deixar de ter atenção.
É preciso tomar cuidado com as interpretações erradas!
Com um grande volume de dados e a tendência de buscar mais, o profissional pode realizar interpretações erradas ou equivocadas. O Big Data deve atuar com dados reais e confiáveis. Informações errôneas podem fazer com que sua empresa sofra consequências negativas e perca a credibilidade. 
Sempre defina um objetivo!
Pensar em Big Data é pensar em organização. Para ter êxito utilizando esse método, tenha um planejamento e definir qual o problema de negócio pretende analisar e resolver ou qual oportunidade deseja criar.
É necessário se atentar à qualidade dos dados! 
Big Data não é só sair por aí usando dados quaisquer, é necessário prestar atenção na qualidade desses dados. Pergunte-se: Eles são relevantes? Em que eles podem auxiliar?
Classificar os dados também é uma necessidade!
Classificar também é preciso. Faz parte do processo de transformação e preparação dos dados para a análise. 
É preciso criar uma cultura para a empresa!
É necessário criar uma cultura corporativa com foco na utilização inteligente dos dados e fazer com que eles sejam o centro do planejamento estratégico. 
Para conseguir chegar a estratégias incríveis com o uso do big data, lembre-se de priorizar os 5 pontos detalhados acima. O mercado segue com inovações contínuas a cada dia e a empresa que está por dentro dessa inovação, está à frente da concorrência. 
Utilize o big data da forma correta! Você pode contar com os nossos profissionais especializados. Fale conosco e nos siga nas redes sociais para ficar por dentro do mercado tecnológico. 
Por: Bruna Ramos VER MAIS
Conheça as 5 principais ameaças virtuais
A cibersegurança trabalha para nos proteger das ameaças virtuais, mas que ameaças são essas? O que elas fazem? Como elas agem? Como devemos evitá-las? Vamos ler e saber! :) 

As ameaças virtuais crescem em ritmos acelerados, por isso se faz tão necessário um método seguro para poder inibi-las. De acordo com a Kaspersky, uma empresa americana de segurança virtual, as ameaças combatidas pela cibersegurança podem ser divididas em três tipos:
    1. Crime virtual - acontece quando os hackers atacam os sistemas para interrompê-los ou roubá-los.
    2. Ataque cibernético - acontece quando um indivíduo tenta utilizar ou acessar um dispositivo de forma indevida para expor, alterar, excluir, roubar ou obter acesso às informações nele contidas.
    3. Terrorismo cibernético - ou ciberterrorismo acontece quando indivíduos invadem sistemas afim de realizar atos violentos que podem causar sérias consequências à vida da vítima. 
Os golpes praticados pelos criminosos cibernéticos, encaixados nos tipos de ataques acima, são diversos. Eles podem vir em documentos, e-mails com links maliciosos, durante solicitação de dados pessoais, entre outros meios. 
Dentre os tipos de golpes, destacamos os 7 principais:
Malware
É uma das ameaças mais comuns. O malware é um software malicioso que um criminoso criou para prejudicar ou danificar o computador de um usuário. Na maioria das vezes, eles são disseminados por meio de anexos de e-mails não solicitados ou downloads ilegais. 
Injeção de SQL
Linguagem de consulta estruturada ou uma injeção de SQL é um tipo de ataque que visa assumir o controle de um bando de dados para roubar as informações ou interromper o acesso dos outros usuários. Os criminosos conseguem acessar bancos de dados por meio de vulnerabilidade em aplicativos controlados por dados e, a partir disso, inserem um código malicioso através de uma SQL mal-intencionada.
Phishing
A prática criminosa tem como objetivo roubar os dados cadastrais de clientes por meio de mensagens iscas, geralmente enviadas por e-mail. Na maioria das vezes, os ataques de phishing enganam as pessoas e as levam a fornecer informações sigilosas, como os dados de cartão de crédito ou informações pessoais importantes.

 
Trojan
Também conhecido como “Cavalo de Troia”, é um software que simula alguma funcionalidade útil de algum programa verdadeiro para se passar por ele. Com isso, abrem-se as portas para hackers terem acesso ao computador do usuário para roubar informações importantes e valiosas.
Documentos maliciosos
São um tipo de malware que exploram as vulnerabilidades escondidas em documentos do office, como arquivos .doc, .docx, .pdf, entre outros. A partir dessas brechas na segurança, os criminosos cibernéticos inserem um código malicioso e com isso, ele consegue o controle remoto do servidor. 
Para se proteger desses crimes virtuais, você deve usar um bom antivírus e se puder, pague por um. Usar senhas fortes, manter o sistema operacional atualizado, evitar baixar arquivos e acessar sites de procedência duvidosa. Lembre-se também de desconfiar de ofertas com grandes descontos ou grandes propostas, fique atento a tudo pois o perigo vem de onde você menos espera. 
E para mais informações precisas de segurança, nos acompanhe pelo instagram, linkedin e youtube. 
Por: Bruna Ramos VER MAIS
O que é e como é trabalhar com o Big Data?
Big Data, uma vertente da ciência de dados, é um processo de análise e interpretação de um grande volume de dados armazenados por uma empresa para variados usos. Pelo fato de conseguir unir todos os dados disponíveis de forma online e em grande quantidade, a atenção com a análise e interpretação deve ser mais que redobrada.

Ele vai muito além da análise e interpretação de dados. Os profissionais que trabalham com isso, o entendem como um mecanismo estratégico para buscar oportunidades e entender problemas existentes dentro das empresas. 
O conceito de Big Data pode ser dividido em 7 pilares, sendo eles volume, velocidade e variedade. Há ainda, com o avanço tecnológico, a incorporação de mais 4 pilares - valor, veracidade, visualização e variabilidade. 
Em resumo, o Big Data é dividido em 7 pilares:
Volume
Assim como diz o nome, o mecanismo de análise e estratégia trata um grande volume de dados relevantes para a tomada de decisão. 
Velocidade
Diz respeito à velocidade em que os dados são produzidos atualmente. Essa velocidade da produção de dados deve ser proporcional à coleta e à organização deles.
Variedade
Os dados são diversos e possuem origens diferentes. 
Variabilidade
Se refere às mudanças nos níveis de dados colhidos e interpretados. Já que as informações obtidas vêm de diversas fontes, diz-se que o nível é variável. 
Veracidade
Diz respeito à qualidade e confiabilidade dos dados. 
Visualização
A visualização se refere à forma em que o profissional disponibiliza os dados para a visualização, podendo usar softwares para auxiliar neste trabalho, como Power BI e o Tableau. 
Valor
O profissional não pode trabalhar com dados sem relevância. Para chegar ao resultado buscado, os dados coletados, organizados e armazenados precisam agregar valor, para que assim, se tenha uma interpretação precisa.

Bancos, lojas do varejo, centros educacionais de graduação, sistemas governamentais, setores da medicina e a indústria de manufatura são algumas das organizações que utilizam o Big Data para gerenciar riscos, evitar fraudes, aprimorar pesquisas e a gestão financeira, administrar dados, gerenciar informações, melhorar a experiência do cliente e muito mais. 
Os dados gerados e organizados podem se classificar em estruturados, que se referem a uma organização mais exata como planilhas e tabelas, e em não-estruturados, que são aqueles que não possuem uma ordenação na separação podendo aparecer em imagens ou blocos de texto.
Para que eles se transformem em execuções inteligentes, o profissional precisa integrar as origens dos dados e extrair o volume que existe, gerenciar e organizar e depois analisar detalhadamente para compreendê-los.
O impacto positivo causado pelo uso do Big Data é extremamente ótimo para a saúde de todo o negócio que resolver implementar esse mecanismo. Os benefícios vão desde o atendimento ao pós-venda das empresas. Com eles, as empresas podem:
  • Inovar sem perder o foco;
  • Analisar informações em tempo real;
  • Possuir mais facilidade para segmentar o público e o mercado;
  • Ter a possibilidade de realizar uma escuta social monitorando conversas nas redes sociais;
  • Mensurar a satisfação do cliente 
É isso aí e muito mais. O Big Data é um agente inovador e modernizador dos negócios que querem crescer conscientes, investindo em ações corretivas, reduzindo custos e obtendo os resultados tão sonhados e estipulados. 
Soluções em Big Data estão na Wiser. Inove e acerte no seu negócio, venha pra Wiser. 
Por: Bruna Ramos VER MAIS
Precisamos falar sobre cibersegurança
Com a intensa integração da internet com as atividades humanas, a cibersegurança tornou-se uma necessidade para uma navegação online segura e com privacidade. O que você sabe sobre ela?

 
A cibersegurança corresponde a um conjunto de técnicas protetivas para sistemas de computador que podem impedir roubo e danos ao hardware, software ou às redes. Todo e qualquer tipo de atividade online, precisa de um sistema de segurança que possa impedir danos indesejados, ainda mais quando você trabalha com informações e arquivos sigilosos que fazem parte e contribuem para a saúde da empresa. 
Os crimes digitais são diversos e devastadores. O Brasil está entre os países que mais se conectam à internet, com mais de 120 milhões de brasileiros acessando a internet. Infelizmente, nem todos priorizam a cibersegurança. O Instituto Ponemon fez uma pesquisa que revelou que 36% das equipes nunca comentaram com os supervisores e líderes sobre questões e métodos da cibersegurança.  
As empresas enfrentam, diariamente, os desafios para se adaptar às modernidades e seguir todas as etapas necessárias para atingir a máxima proteção das redes de computadores. Como já falamos aqui pra você, investir em tecnologia nunca é vão e só leva você, e sua empresa, para o mundo da inovação. 
E como minimizar esses desafios? Estudar um pouco sobre cibersegurança é uma das alternativas, mas você pode também optar pela graduação. 
Contra fatos não há argumentos. A tecnologia continuará presente de forma intensa no mundo e de acordo com especialistas, os dados são a realidade e serão o futuro das empresas, sendo considerados patrimônio necessários para uma operação mais eficaz dos negócios.
Uma boa iniciativa a se tomar é investir em uma graduação em tecnologia da informação, pois a cibersegurança faz parte das áreas abordadas dentro deste curso. Além disso, fazer cursos complementares também são ótimos pra você aprimorar o currículo e ficar por dentro de todos os métodos inovadores e práticos necessários para a continuação dessa tecnologia em uma empresa. Se manter atualizado é a melhor opção.
Por ser uma área em crescente ascensão e inovação, a cibersegurança oferece muitas vagas no mercado de trabalho. Você pode trabalhar como analista de cibersegurança, engenheiro de cibersegurança, consultor de cibersegurança dentre outros cargos semelhantes, como os relacionados à segurança da informação.
Se especializar vale muito a pena. Há muitas vagas, os salários valem a pena, tem chances de trabalhar em outros países, a área possibilita crescimento e você será um profissional em constante evolução.
Com a cibersegurança, os benefícios são diversos. As ferramentas proporcionam mais visibilidade positiva às empresas, a empresa atua em conformidade com as regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), podem atuar com mais controle à proteção das informações e muito mais. 
Desenvolva uma carreira nesse segmento e tenha uma boa carga de conteúdo sobre ele, e aproveite para levar seu negócio para um mercado inovador e à frente de seu tempo. 
Se interessou no assunto? Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro de tudo sobre as áreas da tecnologia da informação. 
Por: Bruna Ramos VER MAIS